O ciclocross (conhecido pela sigla CX) está crescendo em popularidade à medida em que mais e mais ciclistas procuram uma maneira divertida de treinar e competir, principalmente durante o inverno no hemisfério norte. Mas como uma corrida de ciclocross funciona e como ela se diferencia de uma prova de estrada, gravel ou mountain bike cross country?
1. Bikes com guidões curvados
Pode parecer estranho, mas é uma modalidade predominantemente off-road praticada com bicicletas que se assemelham com estradeiras. Você pode pensar: “Mas bicicletas de estrada são para andar no asfalto e mountain bikes são para todo o resto?” Quase isso, com exceção das bikes de ciclocross e gravel, que combinam elementos das bicicletas de estrada – como guidão curvado e pneus mais estreitos – e características encontradas nas MTBs, tais como a geometria, pneus com cravos e até sistema de suspensão dianteira.

A diferença mais notável entre uma bike de CX e estrada é o espaçamento do quadro para passagem dos pneus, justamente para que as bikes de ciclocross possam encarar quaisquer condições como a lama e areia, sem entupir e/ou travar a rolagem das rodas. Além disso, permite o uso de pneus mais largos (até 33c de acordo com a União Ciclística Internacional). O quadro da bike de CX é um pouco mais alto do solo para facilitar a passagem por obstáculos, como troncos, pedras ou barreiras artificiais.
2. Circuito fechado e provas por tempo
Uma corrida de ciclocross é disputada em um circuito fechado de aproximadamente 2,5 a 3,5 quilômetros de extensão, composto por tipos de terrenos diferentes, seja grama, areia, lama ou neve, envolvendo trechos técnicos e obstáculos que obrigam o ciclista a sair da bike para transpor, como por exemplo, subida por escadas.
Os participantes geralmente têm que competir por um determinado período de tempo, mais uma volta final (em vez de número de voltas pré-fixado), sendo o vencedor o primeiro a cruzar a linha de chegada. A maioria das corridas da elite tem uma hora de duração, enquanto os amadores podem competir por 30 a 60 minutos.
3. Obstáculos diferentes
Raízes, pedras e valas são apenas algumas das coisas que o ciclista precisa enfrentar ou evitar numa corrida de ciclocross. No CX, os obstáculos são naturais e artificiais. Os mais comuns são barreiras de madeira de 45 cm de altura posicionados em sequência desafiando o ciclista a saltar ou mesmo sair da bike. Subidas íngremes quase impossíveis de pedalar e sequência de curvas apertadas exigem excelentes habilidades técnicas do atleta.
4. Tudo ou nada
Assim como provas de MTB cross country e corridas de criterium de estrada, o ciclocross tem uma linha de largada e os competidores partem para o tudo ou nada até o final. Como os circuitos são estreitos, o que acontece numa prova de CX é que todos buscam as melhores posições logo no início da corrida, provocando muitos choques e tombos.
5. Esporte individual
nquanto os vencedores do Tour de France dependem dos seus companheiros de equipe para uma série de coisas – desde fornecer água e comida e principalmente ajudá-los a ditar o ritmo nas subidas de montanhas – as corridas de ciclocross tendem a ser mais individuais. Como é uma corrida mais lenta, não há o mesmo benefício aerodinâmico dos ciclistas pedalarem no vácuo, com isso o que vale no CX é a potência, habilidade técnica e resistência. No caso, a equipe do atleta dá suporte de hidratação nas áreas de apoio do circuito.
Mas se você tem um companheiro de equipe no CX, é possível traçar alguma estratégia, como por exemplo, desacelerar em seções estreitas (de single track), permitindo que um companheiro de equipe na frente consiga abrir alguma distância. Se você estiver competindo sozinho, é possível bloquear os adversários nessas mesmas seções se você acha que eles são mais rápidos.